terça-feira, 26 de julho de 2011

Carta genérica para um Bebê



Bebê,
que bom que você está de volta.
Você nem nasceu ainda, mas eu vou lhe contar algumas coisas deste mundo. Só para refrescar a sua memória ancestral. Porque você já sabe tudo, mas vai esquecer.
Vou explicar. Aqui tem uma coisa chamada banco. Na entrada dele existe uma porta giratória com uma caixinha, e a gente precisa deixar algumas coisas nela antes de entrar. Depois que entramos, pegamos de volta.


Nascer é mais ou menos como entrar nesse lugar. A gente deixa todo o nosso conhecimento numa caixinha lá na porta do planeta, que também é giratório. A diferença é que levamos algum tempo, às vezes uma vida inteira, para pegar tudo de volta. Depois explico o que é banco. 


É preciso dizer: aqui é bem legal, mas um pouco esquisito. Está tudo dividido em países. Mas se você observar o planeta de cima – da estrela de onde você vem, por exemplo – verá que é uma coisa só. Parece óbvio, mas muita gente ainda não percebeu isso.
Além dos quatro elementos – água, terra, fogo e ar – nosso mundo tem três coisas básicas: gente, bicho e planta.


As plantas estavam aqui antes de nós. Não fossem elas, a gente não teria flor para enfeitar a casa e o cabelo. Nem sombra para tirar uma soneca. Nem alimento. Assim que você puder, peça para sua mãe preparar morangos picadinhos com mel. É imperdível. O mel vem da abelha, que é um tipo de bicho.
Os bichos também já moravam no planeta. Não existe um que não seja bonito. Urso, gato, cavalo, gaivota, leão-marinho, joaninha. Se bem que a barata não é nada bonita. Mas não há um bicho que não seja importante. Quer dizer, tem a barata, que eu não sei para quê serve.


Por fim, viemos nós. É importante saber uma coisa: quem chega por último precisa respeitar os que chegaram antes. Muitas pessoas vão tentar lhe convencer do contrário. Não acredite.


Para contar tudo isso – gente, bicho, planta – existe a matemática. Matemática é uma coisa meio chata. Mas ajuda um bocado. É com ela que você vai aprender a contar quantos dias faltam para o Natal, quantos bombons de chocolate você já comeu e quantas pessoas estão ao seu lado para o que der e vier. Essa conta é a mais importante. Preste atenção quando a professora lhe ensinar sobre o infinito. Vai lhe ajudar a entender melhor o amor dos seus pais por você. 


Tem mais coisas bacanas aqui. A música que sua mãe canta para você, desde o dia que soube que você viria. A cara de bobo do seu pai quando olha para você. O cinema, feito com as histórias que saem das cabeças das pessoas. Também tem a água. Que é parecida com a que você já conhece. Aqui fora tem mais. Muito mais. O oceano é feito de água. E quando a gente olha para ele, parece que ele não acaba mais. Mas sem fim, só mesmo o amor.


Faltou explicar o que é banco. Mas acho que você não entenderia. Aliás, ninguém entende direito. Esqueça.


Por fim, existe a família. Família é tudo de bom. Mas, às vezes, pode torrar um pouquinho a nossa paciência. Talvez torre a sua. Mas acredite: isso não terá a menor importância. Porque família é de onde a gente veio e para onde a gente sempre volta.
Vai por mim.
Um beijinho,
Vovó 




Silmara Franco




11 comentários:

  1. Ai, que lindoooooooo, adorei esse texto!
    Eu não conhecia esta autora e acho que vou fuçar pela Net para descobrir mais dela.
    E você, só curtindo essa de bebês à sua volta.
    Coisa boa!
    Aliás, parabéns vovó, hoje é o seu dia!
    um abraço e muitos beijinhos cariocas

    ResponderExcluir
  2. Que linda homenagem às vovós do planeta!
    Que todas elas sejam abençoadas e olhem pelos seus netinhos de onde estiverem, cá ou lá, não importa. Amor de vó é em dobro, muito mais gostoso.

    Beijinhos Calu

    ResponderExcluir
  3. Lindo demais.Parabéns!bjs,chica

    ResponderExcluir
  4. Aiii que coisa mais linda.... eu amei!!! fikei toda boba com tanto carinho!!!!! :D

    Um beijo cheio da ternura que transmitiste... ♥

    ResponderExcluir
  5. Nossa, incrível! Não encontro outra palavra pra descrever sua crônica.

    Ou melhor, posso sim usar de outra palavra: parabéns!

    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  6. Que texto maravilhoso, adorei de verdade! Quantas verdades estão sendo ensinadas a esse bebé! (E será que morango picadinho com mel é mesmo bom? Nunca provei (rs). Mas vou experimentar, fiquei curiosa.)
    Mas o mais importante é que os bebés fiquem a saber que realmente quem chega depois deve respeitar quem já lá está, essa é que é a grande verdade que, infelizmente, tanta gente ignora!

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Texto maravilhoso, Calu! Um dia todos aprenderemos a respeitar todos! E o mundo será feliz pra todo mundo!

    Girassóis nos seus dias!

    Beijos da bisa

    ResponderExcluir
  8. Poxa Calu que lindo texto...muitos ensinamentos parea nós e para o Bebezinho....
    muitos beijinhos Caluzinha
    titi

    ResponderExcluir
  9. Olá,Calu!!

    Que linda carta!!!
    Plena de sabedoria e ternura!!!
    Beijos pra ti querida!!!

    ResponderExcluir
  10. Calu, que linda mensagem!
    Essa moça que escreveu deve ser espírita né...
    ela coloca muito bem a mensagem sem chocar os que não acreditam e pronto!

    Adorei! Terna, verdadeira, faz refletir!
    obrigada por compartilhar!
    Um beijo!!

    ResponderExcluir

Teu comentário é o fractal que faltava neste mosaico.
Obrigada por tua presença querida!