quarta-feira, 22 de maio de 2019

As Normalistas




Aquele sábado amanheceu cinzento aumentando o bolor que nasce na sequência dos dias chuvosos e, assim já íamos por cinco consecutivos em torrente cortinas d'água celeste. E o sábado...igual. Bate um desânimo indescritível em sair-se de casa. Tinha um convite de reunião da turma do Normal marcado pra aquela tarde.Boa promessa mas, e a chuva fina e fria daria trégua?
Fui vendo as horas passarem entre estiadas rápidas e descargas pluviais. Vou ou não? Foi aí que, num estalo de lembrança lembrei-me da fala de uma colega professora que repetia categórica em ocasiões do tipo: ___ A gente sai pra trabalhar com chuva fraca e forte, porque, não sairmos pra nos divertir na mesma situação?

Agradeci a oportuna lembrança e me aprontei saindo decidida pro encontro com a turma.
Ainda bem que fui.Há muito tempo não ria tanto. Até cantoria teve. Piadas e gozações de montão. Muitas delícias, sendo a maior de todas a alegria do encontro.  




Saudades postas na mesa em melhores versões de cada acontecimento trazido na bandeja da ingenuidade que vestia nossa juventude.Saudade do que muitas nem lembravam direito e, que outras resgataram vivamente.Saudades dos professores(as) emblemáticos e, dos nem tanto assim; saudades das baguncinhas inocentes, dos hits da época cantados em altos brados no sombreado pátio na hora do recreio.
Naquelas horas o presente é que estava distante e o passado dançava nos sorrisos de cada uma a tocar com sensível vibração as cordas do instrumento chamado coração.
Lá fora, caía a chuva fina e fria! 

" Até junho, meninas!"


segunda-feira, 13 de maio de 2019

O Canadá que eu vi - Parte III

Declaro que não foi proposital mas, acabou por ser bem oportuna essa terceira parte das minhas andanças pelas terras canadenses.Aqui revela-se o motivo inicial da viagem nunca antes cogitada por mim: um encontro reunindo parte da família que mora longe.Pois, não é quê, agora tenho dois filhos morando fora do país.

A nova jornada de vida do meu mais novo começou de fato em dezembro passado mas, o casal já vinha traçando metas e agindo planos para mudança de país desde 2017. Meu filho viajou após o Natal pra organizar tudo na nova cidade adotada: Ottawa, onde cursa uma pós numa faculdade local.
Passaram-se 4 meses até que a esposa e filhos puderam juntar-se a ele e, no ensejo da oportunidade lá fomos também eu e minha outra filha. Tempo aprazado. Tempo vivido. 



                        
               Vista do Parlamento no promontório  da outra margem do rio Ottawa. 

                                      
                        Museu da História do Canadá. Vale muito a visita.

       
           Os dias passaram mais rápido do que eu esperava, porém foram intensos e felizes. Até o sol colaborou aparecendo muito mais vezes oferecendo-nos belas oportunidades de passeios.



Parques e jardins; toda cidade muito arborizada.Horizonte amplo e luminoso. Gostei demais de Ottawa.



Alegrando ainda mais o passeio pude abraçar a querida amiga, Lúcia Haddad, moradora da cidade.Fui recebida por ela com enorme carinho e um apetitoso café da manhã.Vejam que mesa linda!




Nos jardins do Parlamento canadense. 
Fizemos a visita ao prédio e depois curtimos os arredores.

Aqui fica o capítulo final da primeira de muitas outras visitas que farei ao Canadá.Sempre que tiver bons registros venho mostrá-los. 




quinta-feira, 9 de maio de 2019

Passeio mais ao norte - o Canadá que eu vi - parte II

Peneirando os dias pelas tramas das duas cidades selecionei alguns clicks dando continuidade ao capítulo II desta postagem sobre o tema.
Definitivamente, o mês de abril de 2019 não foi a entrada triunfal da primavera por lá. Teve muitos dias chuvosos e "ventosos" apesar das bravas tentativas, por vezes, bem sucedidas do sol primaveril rasgar as densas nuvens de chuva e impor-se majestoso. 
Como está claro nas fotos abaixo, o dia do passeio a Niagara Falls não foi brindado pelo sol mas, o ímpeto das quedas d'água em cor esmeralda intensa deram seu colorido especial. 






                        Filhota e eu abrigadas da chuva fina dentro do centro turístico.



Ao finalzinho da tarde um chazinho-mix caiu muito bem. Amei a delicadeza do saquinho.



Dia seguinte, seco e frio, com boas novidades e aventuras na cidade. Levadas pela curiosidade saímos do fervilhante centrão e nos deparamos com uma pequena viela onde se destacava um prédio longilíneo de seis andares ao fundo. Rumamos em sua direção e eis que nos vimos dentro do Campus de uma Universidade de Toronto. Bela surpresa! 
De quebra achei o prédio da Faculdade de Formação de Professores do Fundamental. Clik certo! 
Outra descoberta especial se deu ao virarmos os primeiros jardins após os arcos da entrada principal: o café Balzac, tipicamente parisiense, onde servem um café colombiano bem encorpado acompanhado das delícias que você escolher.Hummmm... Ficou sendo nosso point preferido todas as tardes que lá passamos.

Como vêem, achei que daria conta de lhes mostrar um pouquinho de tudo em duas postagens mas, vejo que me enganei. Aguardem por Ottawa. 








sábado, 4 de maio de 2019

Passeio mais ao norte ___ o Canadá que eu vi



( Pintor_ Adam Grimm) *

Cheia dos punhos de três mangas compridas que me atrapalhavam a agilidade das mãos em procurar na bolsa abarrotada o celular , acabei por perder o click do instantâneo acontecimento: um cão marrom conhaque e ágil, porte grande, semblante calmo vinha tranquilamente caminhando em minha direção preso à coleira  em mãos de sua dona. Caminhávamos pela larga passarela do parque florestal tendo à esquerda um largo braço de rio com suas vegetações mais rasteiras e à direita longas fileiras apinhadas de árvores peladas em seus longos galhos erguidos para o céu como que a orar pela primavera que ainda não se fazia presente. 
Num raio de segundo o cão-conhaque arranca-se da coleira e atira-se no rio buliçoso em potente perseguição a dois elegantes patos selvagens que deslizavam placidamente nas águas geladas. Os perseguidos logo içaram suas asas coloridas e riscavam a superfície das águas em fuga acelerada enquanto o perseguidor obstinado nadava contra a correnteza agitada sem dar menor atenção aos chamados de sua aflita dona; e eu perdi esta foto épica.
Vou tranquilizá-los, nosso cão-conhaque não conseguiu seu intento e metros abaixo do local que me encontrava o vi retornar para a passarela onde sua dona lhe passava reprimendas. Foi de fato um episódio surpreendente pra mim que só vi cenas parecidas em filmes de animação. A ação se deu no Glen Stewart Ravine, localizado mais ou menos a 5 quilômetros do centro de Toronto


 Meu relato da cena cinematográfica abre a blogagem particular contando um pouquinho da minha viagem pelas terras do norte, o luminoso Canadá


Quando se entrelaçam possibilidades reunidas e, juntas favorecem dias festivos na companhia dos filhos e netos, o céu fica sem limites.
Nesta conjunção feliz passei abril no Canadá. Mais especificamente em Toronto e Ottawa.  

Centro da cidade_ vista da famosa Torre.  


Estação Central_ rodo-ferroviária 

Outro ângulo 

 Por hoje é só pessoal. Aguardem novas cenas.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨ 




* ilustração inicial__ Blog: algarve-saibamais.blogspot/ Maria Rodrigues 


quinta-feira, 4 de abril de 2019

Retalhos do Dia


Aquele dia lindo e típico do outono começou em meio a muita algazarra e expectativas da criançada. Íamos à exposição no CCBB__ " Do esboço à tela", aproveitando também os arredores deste espaço cheio de cultura e atrações.


Da janela da barca acompanhávamos os azuis mesclados de céu e mar. 


Chegamos ao Boulevard Porto Maravilha: começa a programação do dia.



Museu do Amanhã. 


Alamedas arborizadas e bem cuidadas. 




A mostra trouxe o universo dos desenhistas e roteiristas das animações, explorando as longas etapas que envolvem cada cena das histórias apresentadas.  


Um passeio pelo universo da imaginação criativa.


Gostosuras e travessuras de montão atravessaram o dia até o entardecer.
Criançada e adultos exaustos mas, felizes; isso é tudo que importa.

Carpe Diem!  


segunda-feira, 18 de março de 2019

Somatório


Vou somar,
 não desditas,
vou somar alvores,
bons pendores,
 claras manhãs.
Vou somar 
brisas amenas,
 tardes serenas,
horas risonhas.
Vou somar
fé constante,
voz pujante,
força e valor.
Vou somar,
vôos flanados,
 campos bordados, 
flores-vivas,
exercício de Amor!







******* 
(2ª e 3ª imagens,fonte: google)

sábado, 9 de março de 2019

Trago-lhes flores


Vim oferecer-lhes flores. Trago-as perfumadas em carinho e gratidão por cada demonstração afetuosa que tenho recebido de vocês, amigas e amigos da Blogosfera. Creiam em mim quando afirmo que li cada palavra encorajadora que vocês têm me dedicado.Encontro sopros de vigor, de ânimo renovado, de afeto declarado em cada mensagem recebida e cuidadosamente acalentada em meu coração.
Não por coincidência, sim, por total veracidade, a cada novo dia que se seguiu nesses dois meses caíram-me aos olhos e aos sentimentos palavras que necessitava naquela hora e lugar.Foram tantas e tão importantes que me senti abraçada a cada leitura.Chegaram-me por todos os meios virtuais próximos e distantes, sempre no momento oportuno. Desde uma frase curta perguntando como eu estava até lindos parágrafos cheios de emoção e conforto. Todas as mensagens tiveram e terão para sempre lugar de destaque em meu coração.


Agradeço em eco ampliado a toda gente querida da Blogosfera.
Muitíssimo Obrigada por fazerem parte dos meus dias!



" Não há nada de errado em- de vez em quando- chorar e, pedir a Deus que nos coloque no colo." 
( Paulo Coelho)





quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Palavras reveladoras





Entre leituras e reflexões, parei nesse texto da Fernanda Santos, tão falante a mim no atual momento.Sigo em tempos de aprendizados novos. 

A gente demora muito tempo para aprender a ser livre. Passamos parte da vida nos amarrando a conceitos, a medos estabelecidos, com ou sem fundamento, construindo pontes para não cair na lama, sonegando alegria, regulando os termômetros das sensações. Isso sem contar as inúmeras vezes em que deixamos de ser ou fazer por receio do julgamento alheio, nos tornando assim perversos juízes de nós mesmos. Quanto mais sufocados, mais exigentes. Quanto mais exigentes, mais implacáveis nos atos de compreensão de si e do outro. Menos consideração, menos perdão, mais raiva do mundo. Tudo por nada. 

Daí que é preciso aprender (ou reaprender) a ser livre, antes que a manhã seguinte mate de vez a delicadeza que nos resta. Então é necessário ter coragem para destruir medo por medo, libertar cada ser que tomamos como refém, resgatar sonhos socados nas vísceras. 

Trata-se de um processo longo e dolorido, pois não sabemos o que restará ao abrirmos mão das bases sobre as quais sobrevivemos por tanto tempo. Quem garante que não morreremos soterrados nas próprias ruínas? Fato é que, enquanto desaba uma parte do que acreditávamos ser, renasce outra que supúnhamos não existir. Junto com esta ressurgem sentimentos de profundo respeito por si e pelo outro, e se diluem inquietações, culpas, fantasmas, crenças, falsas raízes. 

Somos indivíduos em busca da felicidade e ela está no que somos na essência. Redescobri-la é uma questão de tempo e há que se respeitar o tempo de cada um, já que estamos em níveis diferentes de aprendizado. Um dia desses, peguei a estrada, coloquei o som bem alto e fui dar um mergulho no mar. Voltei agradecida, em paz. Reencontrei minha leveza e delicadeza perdidas num passado remoto. Foi o fim de um longo processo. 

Parafraseando a brilhante escritora Ana Jácomo, voltei desejando que nenhum gesto meu aperte o coração de alguém, intimide o sorriso, desperte medos ou machuque a espontaneidade de quem quer que seja. E assim entendi que liberdade é libertar.  




quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Desacomodada




Estou mexida.Sentimentos desacomodados,expressão portuguesa/castelhana que, cai perfeitamente ao meu momento; amontoado de sentimentos que vão e vêm ao sabor das marés de cada dia.E, são estas mesmas marés que me transportam longe e me trazem perto em contínuo afastamento e proximidade ao meu sentir. O antes e o agora nunca estiveram tão mesclados. Vou par e passo, um por vez na rearrumação da morada interna.Tem manhãs que acordo em meio à bagunça sufocante. Outras, me encontram em boa ordem. Dias há em ânimo presente, outros há em desânimo pesado.
Sigo , não me faltam motivos pra não fazê-lo.Tenho muito mais a agradecer do que a pedir. Assim Seja!


“Eu posso, sou forte e feliz! 
Minha saúde está perfeita. 
Meus problemas resolverei da melhor maneira possível. 
Querer é poder e eu quero! 
De hoje em diante não conhecerei fracassos ou derrotas. 
Conhecerei o sucesso em todas as atividades que desenvolver. 
Vou superar as fases negativas, pois sou FORTE, CORAJOSO e EU QUERO! 
Eu mesmo criarei as oportunidades, pois sou dono do meu destino! 
É a Lei de Causa e Efeito! 
Plantarei boas ideias para colher ótimos resultados. 
Removerei montanhas se preciso for. 
A minha FÉ é grande! 
A confiança é ainda maior e assim será!” – (Associação Beneficente de Cáritas).


" Nada é completamente seu, a vida te empresta, te presenteia para que você aprenda a apreciar e também a se despedir!
( site: a mente é maravilhosa)




* imagem: Google