domingo, 18 de setembro de 2022

Por gosto de ler



Nestes últimos dois anos e meio, tenho lido mais histórias açucaradas do que as mais densas. Estas, até que figuraram na lista  e foram lidas, mas tenho dado preferência às primeiras. Nada como um livro com história envolvente transcorrida na dose certa de romance com pitadas de suspense. Um daqueles que te coloca dentro do cenário junto com os personagens, te fazendo passar as horas como se lá fosse. Típico livro que nos prende e nos faz lamentar quando temos de parar a leitura por motivos outros.

Viram que eu me refiro a este aí da foto: "A livraria dos achados e perdidos", Susan Wiggs, que já conta com muitas resenhas em blogs literários, sinal de que faz sucesso com seus leitores. Eu, pessoalmente, gostei muitíssimo. 

Ao invés de chover no molhado fazendo uma pequena resenha a mais, transcrevo dois parágrafos como aperitivo:

"A leitura fora concluída, e uma música suave começou a sair dos alto-falantes escondidos. Então chegou a vez de Andrew. Com Natalie ao seu lado e a bengala na mão, ele foi até o pódio. Ele se virou um pouco, dizendo à neta que podia ficar de pé sozinho e deixou a bengala de lado. O mínimo que podia fazer era ficar de pé por sua filha[...]"


" Em algum lugar da vasta biblioteca do universo, como Natalie dizia, deveria existir um livro que personificava todas as coisas pelas quais ela estava passando[...]"




quinta-feira, 15 de setembro de 2022

Há poesia no olhar




 Alumia o plúmbeo azul
o farol que a noite traz.
Estende seus braços
longos e afilados,
 lampejos claros
acendendo os caminhos
e as pedras do chão.


Joga sua luz amarelada
para além de onde se vê,
mostra num rasgo fugaz
o que escondido está.
Revela  faces incautas
dos que sob seu poder
se deixam alcançar.


Em dança secular 
compõe valsa suave,
rodopia nos volteios
manhosos do seu passar.
Pinta novos cenários,
por sobre terras e mares,
presença áurea a reinar.



 

terça-feira, 13 de setembro de 2022

Uma imagem-um conto/ Setembro




Uma imagem/um conto- Setembro
BC proposta pela Norma Emiliano( pensandoemfamilia.com).
Tema: parque de diversão__pintado com boca e pé por Stanislaw Kmiecik



Decor das lembranças

Sempre que se via defronte àquela imagem, detinha os passos e deixava que os olhos renovassem as lembranças felizes que ali se eternizaram.

Buscava, a cada vez, fixar a atenção no instante vivido no detalhe do dia. A escolha vinha fácil. Todo o conjunto exibia harmonia, demonstrava beleza e acendia a alegria visitada.

O dia fora memorável e não se perdera na sequência cotidiana. As horas ali passadas transbordavam os sorrisos partilhados, os olhares cúmplices enfeitados pela natureza exuberante somada à aventura da roda gigante a acentuar as maravilhas que o dia proporcionava.

Agradecia ao fotógrafo do parque-jardim ter congelado tais instantes, pois, agora, a figurativa imagem habitava a parede do seu quarto e através dela se transportava de volta àquele tempo.




quinta-feira, 8 de setembro de 2022

Setembro-me


 



Canção Mínima

( Cecília Meireles) 


No mistério do sem-fim

equilibra-se um planeta

E no planeta um jardim,

e no jardim , um canteiro;

no canteiro, uma violeta

e, sobre ela, o dia inteiro. 

Entre o planeta e o sem-fim,

 a asa de uma borboleta. 




quinta-feira, 25 de agosto de 2022

Vou a passeio


 Vou a passeio por caminhos

com recantos envolventes,

com a brisa das belezas

a surgirem em nascentes.  


Levo comigo olhares,

suspiros quase tangentes,

espantos deliciados,

saboreando  vertentes. 


Vou e me deixo ficar,

contemplativa e serena,

tocando a quietude

de uma hora amena. 



Que morem em meu olhar as belezas habitadas nos jardins! 



segunda-feira, 22 de agosto de 2022

BC comemorativa- XIII Interação Fraterna



 A cada comemoração que se espalha pela blogosfera, mais e mais interações acontecem numa relação de estímulo /resposta altamente festiva e inspiradora.

Sejam datas de Blogs aniversariantes, sejam Bcs propostas ante imagens ou palavras ou temas, todas de maneira interligada favorecem essa vibrante comunhão virtual.

E, um marco pra mim, é o tempo registrado pela existência do blog da Rosélia(idade-espiritual.com.br)_ 13 anos de frutíferas postagens interativas agregando a todos, pois, quando me aventurei( timidamente) na blogosfera há 12 anos, Rosélia, foi uma das primeiras comentaristas no meu blog-bebê, o Fractais. 

Se existe um arquivo na nuvem só com postagens da blogosfera, o que abrange nosso grupo é com certeza, o mais pesado, chovendo poesias, prosas, citações, belas imagens, contos, crônicas, e "eteceteras" bonitezas para todos os gostos.

Sabidamente, o universo é compreendido através da matemática geométrica e aritmética com suas afiliadas complexas e lindas, mestras dos segredos grandiosos da Criação. Nessa escala ascendente, os números têm papel fundamental registrado desde a antiguidade comunal e continuarão sendo sempre a escada formativa da estupenda aventura chamada vida.

Para mim, simples apreciadora da magia dos números, tenho-os por aliados na contagem dos dias bons, dos tempos memoráveis e das realizações datadas. 

Parabéns, Rô, pela data significativa, marco de muitas trocas e amizades virtuais e também pessoais. 



sábado, 20 de agosto de 2022

BC- Uma imagem/Um conto- agosto 2022

Natureza morta-original pintado com o pé por
Manuel Parenõ

 

                                   Continuando a série iniciada pela 
    Norma Emiliano(pensandoemfamilia.com), em 2021, das imagens do calendário com reproduções de telas criadas por pintores com boca ou pés.


Imagem inacabada

Geralmente passava os dias absorto entre papéis e lápis coloridos. Destoava dos garotos da sua idade com interesses típicos. Ia, sim, jogar bola no campinho e adorava empinar pipas, mas, sua paixão pelo desenho era indiscutível.

Das primeiras tentativas  ao estágio atual, seus desenhos já revelavam um apto artista. A bagunça do quarto se estendia por todo lado, apenas, o cantinho da pequena mesa de apoio era de uma arrumação impecável, podendo virar motivo de atrito se fosse mexida pelos irmãos mais novos.

Quando seu olhar se encantava por algum motivo, este era desenhado por muitos dias e em diferentes perspectivas de luzes, de sombras e de tamanhos. Havia, porém uma pintura que que lhe chamava a atenção. Um quadro na casa do fim da rua. Ficava na parede da sala e podia ser visto da calçada.

Tentara, várias vezes, esboçar o desenho até onde sua visão permitia, mas, sabia que não o tinha retratado completamente. Resignou-se com o fato e guardou o esboço no fundo da pilha de papéis.

O tempo seguiu seu curso e, hoje, um artista reconhecido tendo muitas pinturas celebradas, continua a inspirar-se com imagens, formas e cores, sem, no entanto, ter-se esquecido daquele esboço inacabado. Quem sabe, um dia...



quinta-feira, 18 de agosto de 2022

A validade das lembranças



 Os sentidos captam as belezas vistas ou experenciadas e vão arrumando-as com as devidas etiquetas nas prateleiras das lembranças; ao alcance de um lampejo da memória afetiva, cuidadora caprichosa de todas nossas caras vivências. E, assim, delas vamos formando páginas e mais páginas do nosso álbum das histórias que nos contam e nos recontam. 
Folheamos essas páginas instintivamente, como parte natural de um gesto simples nos movimentos do corpo e do espírito, ressignificando-as conforme o desenho dos instantes lembrados.
Instantes marcantes ou efêmeros, são catalogados naturalmente e por vezes, nos deparamos com alguma lembrança inusitada, mas, nem por isso, menos significativa. 



A concha dupla-aurora
( Anne Lindbergh) 

"...Linda, frágil e fugaz é a concha dupla-aurora; mas, nem por isso, ilusória. Por não ser duradoura, não vamos, como os céticos, chamá-la de ilusão. Duração não é critério para se avaliar valores falsos ou verdadeiros. Não se invalida o dia da libélula ou a noite da mariposa só por serem breves fases em seus ciclos de vida.
A validade não precisa ter relação com tempo, duração ou continuidade. Está em outro plano, avaliada por outros padrões. Está relacionada oa momento real no tempo e espaço. E, o que é real, é real apenas por um tempo e apenas num espaço."





Agradeço de todo coração aos amigos e amigas pelas felicitações a mim dedicadas.
Vocês me trazem muitas alegrias!
Muito Obrigada!


segunda-feira, 15 de agosto de 2022

Viva a vida- celebração



 Hoje é dia de celebração pela minha vida. Por todas as graças que tenho, por todas as bênçãos que recebo sempre, pela imensa felicidade de ser mãe e avó de meus amados e pela alegria das amizades queridas: presenciais e virtuais

Nas palavras do mestre Rubem Alves*, procuro espelhamento.

O pintor japonês, Hokusai, escreveu esta declaração depois dos setenta anos:

Desde os seis anos tenho mania de desenhar a forma das coisas. Aos cinquenta anos publiquei uma infinidade de desenhos. Mas, tudo o que produzi antes dos setenta não é digno de ser levado em conta. Aos setenta e três anos aprendi um pouco sobre a verdadeira estrutura da natureza dos animais, plantas, pássaros, peixes e insetos. Com certeza, quando tiver oitenta anos, terei realizado mais progressos, aos noventa penetrarei no mistério das coisas, aos cem, por certo, terei atingido uma fase maravilhosa e, quando tiver cento e dez, qualquer coisa que fizer, seja um ponto, seja uma linha, terá vida.


Recebi desde cedo afetuosos cumprimentos/mensagens cheias de carinho.

O dia amanheceu sorridente!


Muito obrigada, amigas e amigos!


* citação, in: Se eu pudesse viver minha vida novamente/Rubem Alves.


quinta-feira, 11 de agosto de 2022

Um fim de semana diferente



Um mar imenso a perder-se de vista se estende por três municípios: Maricá, Jaconé e Saquarema. O volume das ondas gigantescas encanta e também requer cautela aos frequentadores. Preferi apreciar da orla toda exuberância desse mar visitado no último fim de semana.




Entre passeios e atividades programadas na pousada, os três dias renderam muitas distrações.




Em meio a muito verde bem ornamentado pelos recantos da pousada, tive horas plácidas e renovadoras. 





Há presentes trazidos
em horas insuspeitadas
rebordando acontecidos
em risos saborizados
a cantarem n'alma
alegrias renovadas.

**

Cânticos
( Cecília Meireles)

Renova-te,
Renasce em ti mesmo.
Multiplica os teus olhos, para verem mais
Multiplica os teus braços para semeares tudo.
Destrói os olhos que tiverem visto
Cria outros para visões novas.
Destrói os braços que tiverem semeado,
Para se esquecerem de colher.
Sê sempre o mesmo.
Sempre outro. 
Mas, sempre alto. 
Sempre longe.
E dentro de tudo.



terça-feira, 9 de agosto de 2022

Festejando - BC comemorativa


 

Hoje é dia de festa na blogosfera. O "pensando em família.com" está completando 13 anos de interatividades férteis. No convite, Norma, nos propôs que escolhêssemos uma palavra que representasse a significação do Pensando em Família. Para mim a palavra é: Diálogo; acontecido nos inúmeros textos voltados para a temática familiar possibilitando ricas trocas de conhecimentos maturados pelos conteúdos trazidos.

Além disto, há frutíferas rodas interativas com propostas criativas para animar a todos que por ali passam. E, como brinde encantador, a poetisa Norma Emiliano, nos oferece seus poemas abastados de sensibilidade e motivação emoldurando belezas e profundidades do sentir. 

Nos fios tecidos pelo diálogo profícuo, formam-se as múltiplas redes conectivas em belezas e afetos. 


Elos de continuidade 

                                                      ( Norma Emiliano,in: A poética do viver) 

Eu ganhei a vida

Colhi frutos

Recebi afetos e cuidados 

Ultrapassei etapas

E gerei vida 

Trajetórias, altos e baixos

Tesouros da minha vida

Alguns ressignificados

Outros, pedras lapidadas

Disponíveis em minha história.

Cada ser é único

Em sua vivência

Indivíduo e coletivo

Representação

dos tempos em vida.

Um dia haverá a partida

O que fica?

Amores cultivados

Cartas, contos, poesias

No prosseguir da vida. 

*** 

Parabéns, amiga, Norma! Que muitas outras belas realizações aconteçam! 

segunda-feira, 18 de julho de 2022

Na voz das árvores


 (1)

Uma imagem/ muitas palavras. 

Pinço do Rubem Braga:

" Se uma criança pudesse fazer o mapa de uma cidade_ pensava eu, olhando o pé de romã_  ele teria menos casas e mais árvores e bichos. A romã , por exemplo, está estritamente ligada à carambola, na minha corografia íntima. Eu conhecia essas árvores de um só quintal da cidade; eram como que uma propriedade específica de certa família amiga." 



                                                                                   (2)

Amplio a voz das árvores: 

"Somos muitos aqui, exultantes por você ter plantado árvores no jardim e, com isso, ter aberto tantas possibilidades. Nossas forças, aqui enraizadas, farão muita diferença para o equilíbrio do todo e, embora pareça ser necessário tempo, cresceremos o mais rapidamente possível..."



                                                                                      (3)

No traço do poeta, o poema clama: 

Espera

( Eugenio de Andrade) 

Sê paciente; espera

que a palavras amadureça

e se desprenda como um fruto

ao passar o vento que a mereça. 

~~~~~~ 


1_ Imagem/pinterest__ S.Gabriela 

2_ Dendezeiro( palmeira do dendê)

3_ Cerejeira  



quarta-feira, 13 de julho de 2022

Uma imagem-um conto/julho__ Pontes possíveis

 


                                                                   "Do outro lado da ponte"
                          Original pintado com a boca por: Vojko Gasperut
                                                                                   

Continuando a série iniciada pela Norma Emiliano, em 2021, das imagens do calendário com reproduções de telas pintadas.


Pontes possíveis

A ruazinha que dava acesso a ponte era a mais antiga daquela pequena cidade. Poderia mesmo dizer-se que foi ali que a vila, hoje cidade, começou.Suas casas mostravam o estilo das antigas construções de uma época e garantiam uma solidez palpável.

Dona Flora, moradora quase ribeirinha, acompanhou a construção da ponte e lembra-se do tempo que esta não existia.Era uma trabalheira atravessar para o outro lado do rio. Contavam com "seu" Jonas, pescador veterano que se prontificava a ajudar nas travessias necessárias.

Certa feita, dona Flora, em apuros, precisava chegar ao outro lado para atender sua tia idosa.Levava consigo alimentos e medicamentos em grande volume. Explicou ao "seu"Jonas a urgência do momento e o receio da bagagem não caber em seu pequenino barco.

Prontamente,"seu"Jonas, a tranquilizou indo ele mesmo levar as bagagens até a casa da senhora enferma e em seguida, voltando para buscar dona Flora, que muito agradecida pela gentileza organizou uma vaquinha junto aos moradores para a compra de um barco novinho para "seu"Jonas.



segunda-feira, 4 de julho de 2022

Revisitas memoráveis


 Tem uma palavra bonita pra nominar a saudade: revisitar; sou revisitadora assídua das memórias afetivas.Salvam-me as fotos arquivadas além das impressas, passaportes dos tempos sorridentes.

Há pouco mais de uma década me vi com paredes extras esperando preenchimento. Não tive dúvidas, comecei a compor quadros em mosaicos das fotos da família. Fui remexer caixas antigas cheias das fotos da filharada criança/jovem/adulta.Brotaram três produções, mas não só, seguiram-se outras com fotos das viagens, com fotos dos aniversários e o último com a novíssima geração: os netos. 

Fiz questão de deixar poucas margens de parede branca e, assim, compus uma galeria,um breve resumo da nossa história. Quando os grandões viram meu feito, se surpreenderam.Sorriam e comentavam as lembranças ali estampadas. Claro, que houve reclamações do tipo:

__ Mãe, meu cabelo tá horrível nessa foto!

___ Olha isso, eu saí de olhos fechados.

E o  blá,blá, blá, se misturava entre risos e galhofas. A galeria particular ganhou status de referência nas reuniões da família. Segui uma motivação criativa e vi o quanto foi significativa para nós. 





"Quando você se sentir perdido

Lembre-se de onde veio

e não estará mais perdido

(Sotigui Kouyaté) 


segunda-feira, 27 de junho de 2022

Passeio no velho/novo porto_ Montreal








O dia da volta rendeu um novo passeio. Chegamos ao velho/novo porto de Montreal, remodelado com muitas atrações interessantes. A indefectível roda-gigante girava ao som do rock, enquanto na outra extremidade exibia-se imponente a tenda do famoso Cirque du Soleil apresentando o espetáculo: Kooza.

Foods-trucks enfileiravam a galera com suas comidinhas fast-foods. O difícil é achar por lá algum prato realmente alimentício. Fica-se à mercê de hambúrgueres, sandwiches e tais. 

Como consolo, tem-se sorvetes cremosos. Amei o sabor: maple com castanhas e fiquei freguesa. Há pedalinhos deslizando nos canais represados do rio Ottawa. Muito espaço verde. Muitas áreas pra piqueniques.Um parquinho com brinquedos pra garotada miúda e um palco improvisado na carroceria aberta de uma caminhão onde se apresentam bandas tocando rock.

O velho/novo porto fervilhava naquele domingo de sol forte e temperatura agradável.

 De volta à casa, me refaço da viagem de retorno após 50 dias em terras canadenses. As saudades viajaram de volta comigo e , claro, moram bem ali no quarto ao lado. 






quinta-feira, 16 de junho de 2022

Uma imagem- um conto/ junho


"Cerca no caminho" original pintado  

com a boca e o pé por Stanislaw Kmiecik  


A série iniciada em 2021 pela Norma Emiliano segue propondo a escrita criativa ante as imagens do calendário feito por  pintores com a boca ou os pés. 

Boas surpresas

O grupinho da rua Alta era conhecido por suas mirabolantes aventuras. Viviam se metendo em mil travessuras e dentre muitas invencionices, se achavam os detetives da rua.

Aquele dia, resolveram se aventurar por sítios mais distantes. Montados em suas bicicletas apostavam corrida em meio a estradinha de terra que se embrenhava floresta adentro. Foram surpreendidos com uma cerca em meio do caminho. Ficaram intrigados. Se aproximaram devagar observando toda cercania se certificando se havia algo estranho por ali.

Mais curiosos que medrosos chegaram na beirada da cerca e o que viram os deixou animados. Havia um jardim bem cuidado, com muitos canteiros de flores variadas, folhagens em muitos tons de verde e árvores centenárias guardavam atentas toda aquela natureza preservada. 

Cheios de empolgação, combinaram organizar um piquenique para o fim de semana com direito a guloseimas, jogo de peteca, prancha de escorregar e outras peraltices. 



quinta-feira, 9 de junho de 2022

Detalhes visitados



A importância dos cenários novos em que por vezes nos encontramos acende lembranças e curiosidades no olhar. Ao mudarmos de vistas nos vemos cercados(as) de detalhes interessantes despertando satisfações emotivas.

Quando nos inserimos ao arredor somos tocados(as) por belezas, sutilezas e surpresas inusitadas e isso enfeita as horas, enfeita a vida de forma marcante, nos levando pela mão de encontro a outros mundos visitados na fantasia das histórias.

Somos inspirados por cenas antigas, por poemas, por personagens e muitas das vezes, nos sentimos atuando dentro daquela situação que a memória nos traz.Por instantes, deixamos a realidade e adentramos ao mundo dos sonhos despertos.

Experimentamos a leveza e a liberdade de sonhar. Como é bom trazermos novidades ao cotidiano conhecido e deixarmo-nos contagiar pelas oportunidades vindas nas lembranças curiosas. 

Como disse, Mia Couto:" O paraíso não é um lugar, é um breve momento que conquistamos!"

Então, vamos à conquista de belas vistas!




quinta-feira, 2 de junho de 2022

A inteireza do florir





 Quando muda pequena
mal imaginava o porvir
como, então, se tornaria
de frágil haste esguia
a frondosa figura alta
de aventuras vividas
entre um e outro dia,
promessas do amanhã
que ventos dançantes
por vezes, assustadores,
rosnaram em seus galhos,
lamentos cantantes nos
 ramos e nas folhas
tombadas sobre o chão,
este, que a viu crescer 
 e sustenta-lhe  na dor
de florir a esperança
dos brotos que virão.




terça-feira, 24 de maio de 2022

Nem só de flores se faz uma primavera







 Nem só de flores acontece a primavera. No sábado passado tive uma experiência nova.

Ia a tarde ao meio após uma manhã ensolarada de clima agradável, quando começaram a pipocar mensagens no celular com avisos de tempestade com ventos fortes.

Corremos do parque da Estrela de volta pra casa bem rápido enquanto já sentíamos os ventos soprarem mais fortes.Em casa e seguros, vimos as rajadas aumentarem com potência levando papelões pelo ar, sacudindo cadeiras e mesas do jardim.Não se passou mais de 5 minutos e tudo serenou, mas, a luz elétrica caiu e com ela a internet.Ficamos na expectativa do retorno de ambas. 

As horas foram passando sem notícias. Noite alta descobrimos que muitas árvores caíram derrubando fiações por toda cidade.

O que para nós pareceu uma forte e rápida tempestade por aqui, foi, na verdade, um ciclone que atingiu várias áreas da cidade causando muitos estragos materiais. Assim, ficamos sem energia elétrica e internet por três dias. Um desassossego só, mas, sem maiores consequências além do desconforto na rotina.

Ontem às 17h a normalidade retornou. Todo mundo comemorou! 


"Olhe estas velhas árvores, mais belas
Do que as árvores novas , mais amigas:
Tanto mais belas quanto mais antigas,
Vencedoras da idade e das procelas[...]" 
(Trecho/poema Olavo Bilac)