domingo, 15 de maio de 2022

Parque-jardim das tulipas-Canadá

O  festival da tulipas em Ottawa/Canadá é um dos eventos mais aguardados na capital federal. Um encantamento sem fim, pois, além de expor florações multicores é marco oficial da abertura da primavera no país. 

O festival acontece sempre na segunda semana de maio e atrai a população local e visitantes.O Parque é imenso. Oferece lazer e distração pra toda família e para todas as idades com seus amplos espaços gramados, um lago margeando os arredores onde muita gente pratica esportes aquáticos.

A prática do picnic é comum em todo parque. Toalhas de xadrez destacam-se nos gramados fazendo cenário ainda mais colorido e festivo.

Há nos rostos dos frequentadores uma alegria palpável, um sorriso cordial,uma vibração maravilhada em meio a toda natureza exuberante ali presente como convite para desfrutar das belezas da vida.

Foi, pra mim, um passeio maravilhoso e repleto da alegria de ver além das belezas expostas, a alegria das pessoas em voltar a viver com liberdade e plenitude.










 

terça-feira, 10 de maio de 2022

Maio primaveril


 

Lá vai maio transcorrendo aos dez dias que se mostram cada vez mais verdes por aqui. Por onde a vista alcança cresce a grama em projeção geométrica.Tudo desabrochando, desde florzinhas pequeninas a outras mais viçosas. 

Na frente dos grandes markets há pilhas de terra ensacada, mudas variadas de folhagens e flores.Basta a primavera se anunciar e o povo todo se lança aos cuidados com a jardinagem. Todas as casas tem um jardinzinho sempre bem ornado com plantas no chão e nos vasos. O clima primaveril envolve as cidades e movimenta a população.  

Aqui se vê a distinção das estações bem definidas. Os parques com exposições se multiplicam pela cidade. Estou na expectativa de uma visitação ao Festival de tulipas de Ottawa que engloba centenas de tulipas em meio a eventos de arte, história e culinária. 

Na primavera acontece a extração do famoso xarope Maple, essência doce extraída da Maple( árvore típica do Canadá).  




quinta-feira, 5 de maio de 2022

Maio adocicado


  • Mesmo sendo imagem tipica do outono nas terras do norte, se encaixa bem na pauta do dia de hoje. O vento que por aqui sopra agitando os galhos altos, levantando as folhas caídas é reconhecido  como típico nestes dias primaveris. Alternam-se sol tímido em dias nublados com sol forte em dias de céu aberto.

    No balanço das horas vamos cumprindo a agenda das crianças Elas dão o ritmo dos dias, ainda mais depois de tanto tempo de afastamento, todo instante  que passamos juntos tem sabor especial. 


" Meu amor independe do que me fazes. Não cresce do que me dás.Se fosse assim ele flutuaria ao sabor dos teus gestos.Teria razões e explicações. O Amor é estado de graça e com amor não se paga.Nada mais falso do que o ditado popular que afirma que "amor com amor se paga." O amor não é regido pela lógica das trocas comerciais. Nada te devo. Nada me deves. Como a rosa que floresce,eu te amo porque te amo." 
(Rubem Alves) 






Para todas as mamães, desejo um dia recheado de sorrisos e grandes alegrias! 
Feliz Dia das Mães! 

terça-feira, 26 de abril de 2022

Hoje, 26 de abril de 2022


 O dia amanheceu cantando,

todo cidade amanheceu em flor,

passarinhos voaram em bando

para Isabela que já chegou.




Foi assim, mal o sol nasceu lá nas bandas do norte e a pequenina florzinha, Isabela, chegou de surpresa e estreou um dia novinho para toda família.


Foram tantos"Ohw e Ahw", derramados em áudios e vídeos a encherem a página do zap-zap o dia inteiro que lotaram a galeria do celular. Ninguém desgrudava da telinha, muito menos , eu.


Até os olhos sorriam com tamanha felicidade. 

Isabela chegou, fofíssima e cabeluda; amadoca da vovó(rs).


Estou assim, em estado de graça por mais essa preciosa bênção em minha vida.

Viva Belinha!




segunda-feira, 18 de abril de 2022

Canto do rio - poesia todo dia


( Poesia todo dia)


Canto do rio

( Eu)

Aprendi que um rio 

são águas correntes,

nesta fala não me fio,

prendo o olhar e atento 

para o som que faz o rio.

Som de valsas murmurantes,

Som de ímpeto latejante,

Som de pedras cantantes,

Som de margens molhadas;

 Faz sonatas e interlúdios,

 em ópera alucinada

pelo cenário das quedas,

prenúncio de cataratas...


*** 

Isto-II 

 ( Fernando Pessoa)


Entre o sono e o sonho,

Entre mim e o que em mim

É o quem eu me suponho,

Corre um rio sem fim.


Passou por outras margens,

Diversas mais além,

Naquelas várias viagens

Que todo o rio tem.


Chegou onde hoje habito

A casa que hoje sou, 

Passa, se eu me medito;

Se desperto, passou.


E quem me sinto e morre

No que me liga a mim,

Dorme onde o rio corre

__ Esse rio sem fim. 



quarta-feira, 13 de abril de 2022

Um dia como outros


(Casal de zebras_ pintado com boca por:Patrick Botto)


         Uma imagem, um conto de Abril, na série promovida pela amiga,Norma Emiliano_pensandoemfamília.com, através do calendário das pinturas feitas por artistas com pés ou bocas.


Um dia como outro na savana acontecia. O casal cansado sentia o ar carregado das areias que o vento trazia. Parar, porém não era opção. Já tinham percorrido muitas luas e ainda não havia sinal de água.

Sabiam , sem ninguém lhes ter contado, que água em grande quantidade era sinal de vida garantida, de modo que, prosseguiam em marcha lenta, mas prosseguiam. Femina tinha dificuldades cada vez maiores. Mal se equilibrava sobre as patas. O peso da barriga a descompensava. Mesmo assim, prosseguia ao lado de Fernão, de focinho pro alto farejando o menor sinal de umidade.

Aquele dia, o hoje que acontece, deu-se diferente. Viram muitos outros moradores dirigindo-se como em procissão numa mesma direção. Seguiram os indícios dos instintos e , com alívio, chegaram na imensidão azul, clara e fresca que lhes confortou e acolheu.




segunda-feira, 4 de abril de 2022

A simbologia atravessa as eras



 O sábado estava nublado. Havia chovido muito no dia anterior e o ar úmido se alongava pelo dia que corria.

Como os ares externos não convidavam a um passeio pelo parque, chamei meus pequenos para uma tarde na casa da vovó. Entre filminhos, pipoca, pãezinhos com Nuttela, tagarelávamos à solta trazendo os risos a todo instante.

Num recorte de conversa, comentamos sobre o temporal do dia anterior, cheio de ventos, raios e trovões, que abalaram o sono e o sossego, ao que somei meus desejos de que não acontecessem mais temporais assim, dando três toquinhos na madeira da mesa.

Minha neta se espantou do gesto e quis saber o seu por quê. Expliquei como sendo uma simpatia tradicional. Mas, aquela pergunta me deixou com dúvida sobre a resposta que dei.

Lá fui "bisoiar" o motivo. Aprendi algo novo: pois sim, o gesto tem esse sentido , mas a tradição dele nascida, vem de origem ancestral. Em tempos antigos dizia-se que para afirmar o positivo deveriam ser dados três toques no tronco do carvalho, porque ele é uma árvore que simboliza a resistência e a força, pode sobreviver por centenas de anos, resiste às tempestades, aos  raios e, mesmo que seja atingido por um, ele se regenera mais forte e mais alto ainda.

Uma lição linda e tão vital nestes tempos vividos.



segunda-feira, 28 de março de 2022

Tudo começa com um sonho



"Todo conhecimento começa com o sonho.

O sonho nada mais é que a aventura pelo mar

desconhecido, em busca das terra sonhada.

Mas, sonhar é coisa que não se ensina, brota das profundezas do corpo,

como a alegrias brota das profundezas da terra..."

( Rubem Alves)


Claramente sabidas, são essas palavras do mestre Rubem. O sonho almejado é o começo da história da humanidade. Nada mudou nesse campo desde então. Sonhamos cada passo que damos, até mesmo na infância assim acontece. O bebê sonha em deslocar-se pelos lugares da casa. Sonha em pôr-se de pé. Vejo o sonho e a vontade como motivos do mesmo intento.

E, este motor instintivo fabrica grandes e pequenos feitos que a história registra. Sem precisar de buscas elaboradas ou pesquisas, é fácil verificarmos tais movimentos que comandam o devir de cada um.

Em conversa com uma jovem, dizia-me ela que sonhava estudar direito e em viajar para India. Disse-lhe  que o sonhado por muito tempo traz uma convicção da vontade e muda de estado onírico, passando do etéreo para o real e, que assim ela deveria já considerar suas aspirações não como sonhos, mas como possibilidades.

O primeiro passo na direção das realizações havia sido dado. Agora era preparar-se para os seguintes  com o mesmo ardor dedicado no sonho sonhado.

É vital que nunca deixemos de sonhar, criar novas possibilidades a serem realizadas. Olhar adiante com motivação. Acreditar, perseverar e realizar!


" Nosso dias são preciosos

mas, com alegria os vemos passando

se no seu lugar encontramos

uma coisa mais preciosa crescendo:

uma planta rara e exótica

deleite de um coração jardineiro,

uma criança que estamos ensinando,

um livrinho que estamos escrevendo.

(Rückert) 



quinta-feira, 24 de março de 2022

Chegança



 
O Outono chegou! 
Veio vindo em acolchoados novelos de ares quentes debruçados na cidade.
Veio flanando com elegância. 
Veio anunciando no colorido dos céus, sua chegança.
Foi pousando mansamente nas tardes luminosas
estendendo-as em noites estreladas.
Desenhou manhãs sorridentes ao chamar o sol
para bater à porta das casas e assim acordar
 a toda gente, em todo lugar.
Ele veio vindo, ele chegou intenso,
pousou nas areias claras, recolheu o véu embaçado,
cumprimentou com graça e garbo
a cidade que o recebia engalanada a festejar sua estadia. 








Que a magia do outono nos abrace com suavidade! 



segunda-feira, 21 de março de 2022

Alguém me chamou aí ?


___Achei que chamaram meu nome. 

Ouvi vozes conhecidas perguntando por mim. 

 Olha eu aqui, pessoal!

Depois de todos os lindos passeios na companhia de vcs, pessoas queridas, voltei ao lar faz três anos. Fico na terceira prateleira da estante da sala tendo por vizinhos, dois tsurus.

Somos bons amigos. Acompanhamos nossa anfitriã nas muitas atividades do dia, pois seu PC e a TV ficam na sala de estar.

Assistimos bons filmes juntos. O último visto foi: Até a próxima vez". Recomendo bastante.

Vemos, também, os muitos interesses da nossa homemade( assim fica chic,rs) nas leituras escolhidas. Ela tem uma cesta retangular em vime apoiada no braço do sofá. Ali ficam os livros da vez. Hora, lê poesias. Hora, lê romance ou contos ou crônicas e, consta também da lista alguns temáticos sobre leituras e filosofia.



Ontem ela me levou até a varanda pras fotos de hoje.

Estou emocionado em receber a lembrança carinhosa de vcs depois de tanto tempo. Tenho muitas saudades dos passeios que fizemos juntos. Nosso álbum de memórias é um marco de dias encantadores.

O poeta Manoel de Barros declara em versos:


"Eu fui aparelhado para gostar de passarinhos,

Tenho abundância de ser feliz por isso[...]"


 Assim eu vejo vocês! 

Um abração afetuoso, meus amigos e amigas!




sexta-feira, 18 de março de 2022

Nova Estação



 Transbordava na voz uma animação genuína com os sinais que a foto mostrava. Por todo lado era visto o acontecimento dos primeiros degelos. Já sobressaíam tímidos pingos de verde aqui e acolá, brotando junto com o sorriso no rosto dos passantes. Mesmo sem fala audível, os olhos diziam  o que a boca desenhava; nova estação.

Pequenas ilhas de grama rala mostravam-se orgulhosas, como a dizer sem palavras:" vejam, estamos aqui embaixo, a neve não nos consumiu". 

Pelas trilhas nos parques, pelos canteiros  e jardins, antes sufocados, vê-se a força da esperança refletir sua existência, sua persistência, sua eternidade. Logo haverá milhares de pontos verdes a encher de primavera  os lugares, as pessoas, as cidades.  

¨¨¨¨¨¨¨ 


* Foto enviada pelo filho( em Ottawa) a qual acrescentei o verde do qual ele me falou.






segunda-feira, 14 de março de 2022

Boa companhia



 Fazia sol a pino, 

e pouco refúgio

à pele delicada,

ardida em silêncio,

vagando alheia,

 olhos molhados,

pavor, confusão;

atônita  lançada

ao espaço vazio

entre o sim e o não.

Escolhas prementes,

 apesar do confronto,

são fôlego, apoio,

cais e mansarda,

lugar de acolhida,

      em meio aos ruídos  

agudos no coração.

Provisória estadia,

transparece no instante

da fuga urgente que

o sol inclemente 

impôs sem aviso

 a requerer previsão.

Ali amparada

na vidraça do canto

se pôs escondida;

boa companhia

da tarde de verão.


***     

sábado, 12 de março de 2022

Uma Imagem/um conto- março 2022


            "Casal na chuva": original pintado com pé por Simona Atzori.

Março traz nova imagem da série do calendário feito com pés ou boca por pintores selecionados e  promovida pela amiga, Norma Emiliano, que nos convida a soltar a criatividade em palavras. 



Na saída do prédio, foi surpreendida por uma chuva intensa não prevista. E agora? Esperaria uma estiagem ou enfrentaria a força da chuvarada? Mal continha a ansiedade de correr por dois quarteirões acima indo ao encontro dele.

A mensagem marcando o encontro após o trabalho, era lacônica. Seu coração acelerou assim que a leu. Será que se armava um temporal na sua vida amorosa? Sacudiu o cabelo como se o gesto afastasse aquele pensamento.

E a chuva não dava sinal de trégua. Conformou-se em aguardar mais um tempo. Começou a mexer no celular conferindo as mensagens. De olhos na tela , cabeça baixa, não o viu chegar, parando bem defronte a ela.

No instante suspenso da descoberta, lá estava seu amado todo sorridente portando um guarda-chuva ao dizer-lhe:

___ Eu jamais lhe deixarei sozinha na chuva! 


***

 

segunda-feira, 7 de março de 2022

A dona da casa

(*)


 De tudo do qual somos feitos, são os sentimentos que estão no leme da navegação da vida. Mesmo quando pensamos estar em um instante suspenso entre o saber e o sentir, não estamos, na verdade, de fato apartados da soma dos sentimentos que nos constituem.

Somos a ebulição do ver, do ouvir, do saber, do sentir, do provar, do tocar, do ser e do agir. Nesse pacote multifacetado, transcorrem nosso dias ligados no piloto automático, na maioria das vezes; há, no entanto, exceções nas horas soando como badalos de sinos agudos a nos sacudir do marasmo cotidiano. 

Se escolhermos duas horas num dia, apenas um dia na semana e, nos determinarmos a ouvir com atenção os quê nos dizem nossos sentimentos, teremos revelações inesperadas sobre nós próprios(as).

Um ressoar bem audível está na memória olfativa. Os odores destrancam fechaduras enferrujadas com uma destreza impecável, como me aconteceu no sábado passado. Estava experimentado aromas de ambiente. Um dos frascos estava aberto respingando em minha mão e no seguido instante aquele aroma me levou à casa de minha infância, vendo minha mãe arrumando com capricho os lençóis da cama rescendendo lavanda/alfazema.

As lembranças vieram nítidas, o perfume familiar nas roupas da casa me levaram a doces recordações dos hábitos tão simples e tão marcantes em minha mãe, a dona da casa.



(*)Imagens: pinterest/northstar



domingo, 20 de fevereiro de 2022

Bela Vista


Não cansam as belas vistas que a natureza proporciona.
Não cansam as palavras motivadoras que acendem dia-a-dia, a luz do espírito. 



"Tenha coração de criança. Retome sua amizade com Deus. 
Reaprenda a brincar! Faça experiências novas, diferentes e ricas em deslumbramentos. Torne seus dias deliciosos ao recheá-los com coisas boas!

Combine seus trabalhos com outras atividades que gostes de fazer. Vença o mal com o bem. Para uma pessoa que lhe trate mal, cerque-se de duas, três, quatro...que lhe tratam bem. Encontre um tempinho para caminhar sem ter obrigação de chegar a algum lugar específico, apenas, pelo gosto de andar, ver árvores, flores, respirar ar fresco e tomar um pouco de sol...Isso lhe fará bem, acredite!

Leia mais. Leia coisas( histórias) bonitas e aconchegantes_ ler é um modo de fazer faxina na mente e no coração. Ouça boas músicas, daquelas que iluminam a alma. Sorria muito, sempre. Cumprimente a todos com ternura. Converse com o máximo de pessoas que puder. Livre-se dos sentimentos de revolta, pois azedam a vida."

( M.Mendes)






terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

Retalhos poéticos

















Na escrita à mão denota-se autenticidade e emoção. A espontaneidade acontecida num bilhete, numa carta ou poema, torna-a única. Em um pequeno pedaço de papel fica registrado aquele momento no traçado da caligrafia. São retalhos em volteios no deslizar da caneta ou do lápis, indo ao encontro do leitor.

Nenhuma digitação supera a originalidade da letra escrita.



quarta-feira, 9 de fevereiro de 2022

Uma imagem-um conto/fevereiro 2022


Transcorreu pelos meses do ano que passou e segue com fôlego e criatividade, a série: Uma imagem-um conto, criada pela amiga, Norma Emiliano, tendo como temas para múltiplas criações, imagens do calendário de reproduções de pinturas originais feitas por pintores com boca ou pés.  


Não deixe a esperança enferrujar-se

Havia anos restava esquecida num canto da garagem. Todos que por ali passavam a ignoravam igualmente. Suas engrenagens enferrujadas soltavam pó  laminoso no chão. Selim e guidão se desfaziam pela passagem inexorável do tempo. Ninguém lhe dava importância. Ninguém sequer lembrava-se dela que, fora tão companheira do seu dono.

Há muito se conformara com a existência vazia a que fora entregue. Nem nutria nenhuma esperança de voltar a circular pelas ruas do bairro. Achava que seu destino estava selado: o ferro-velho.

Dia houve, porém, que um garoto de cabelos de fogo, aproximou-se dela. Olhou-a de cima a baixo. Desencostou-a da parede e verificou as correntes, os pneus, todos os detalhes de sua estrutura e foi-se embora. 

"Pronto, pensou ela, chegou o dia do ferro-velho."

Passaram-se poucos dias e ela viu o garoto retornar. Trazia consigo pneus novinhos, correntes tinindo em alumínio brilhante, um selim todo forrado em azul metalizado, um guidão aerodinâmico estiloso. O cirurgião-mecânico começou a operação de renovação com empenho e cuidado, enquanto ela, sentia dos aros aos pedais, do selin aos freios, a vida reacender suas engrenagens despertando novo ânimo e novas promessas.





sábado, 5 de fevereiro de 2022

Pequeno álbum de viagem


 Era 15 de dezembro passado e nós fomos pelas estradas da França seguindo o sol. Ele não nos decepcionou, mostrou-se exibido em todos os dias de nossos passeios.



( Clérmont Ferrand)

Pela manhã o frio da noite teimava em ficar, mas, logo se rendia à presença do sol nas alturas chamando-nos para passear. 



À noite chegamos em Lourdes. Fomos logo conhecer o Santuário sob a luz intensa da lua cheia. Inesquecível! 



O inverno castiga a vegetação, porém a qualquer estio o sol apresenta sua força renovadora. Vimos muitas árvores desafiando o clima com suas folhinhas novas brotando. 


No ponto mais alto da cidade, fica o castelo-fortaleza aberto à visitação. Lá contém uma exposição permanente sobre os antigos habitantes(séc:XVII) daquela região dos Pirineus. Interessantíssima!



Da torre do castelo, a visão é de 360°, ainda mais num dia de sol claro. 





Como ilustração nos livros infantis, os picos nevados da cordilheira fazem fundo mágico ao cenário. Pena, que eu sou péssima fotógrafa.

Passamos três dias na cidade e foram intensamente significativos. 

" Viajar é trocar a roupa da alma."

( Mário Quintana)

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2022

Olhares por sobre o mar



 Se faz intensa 

 figura alada e plena.

Esvoaça elegante

em brisa ligeira,

ao rolar das ondas

que pintam o mar. 

Ajusta com graça,

as asas longas,

muda com os ventos

seu soberbo planar. 

Desfila altiva

 alva plumagem,

alcança lonjuras

em seu deslizar

solto, etéreo, 

roubando das horas

 extenso margear.

Solta um grasnar em

compasso afinado

cortando o devaneio

de quem a vê passar.

(Eu) 

*** 



terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Pequenas delicadezas



 O que nos salta aos olhos nem sempre ressoa n'alma. São bem maiores as quantidades das horas do dia pelas quais passamos distraídos e, até mesmo, indiferentes ao que nos cerca do que aquelas que nos apontam algum interesse; agrava-se tal constatação quando estamos inseridos na rotina urbana.

Buscando refrigérios para mente e para o espírito, algumas leituras trazem lentes de aumento para nosso velho e conhecido cotidiano.

 Lendas têm o condão de fazer-nos viajar sem sair do lugar. 


O sentido do respeito

( lenda japonesa)

Certo dia, um monge do templo Daitokuji, amigo íntimo do filósofo Sotan, mandou um jovem ajudante entregar a Sotan uma haste particularmente bonita com botões de camélia branca. No caminho, contudo, o botão principal caiu do caule. Depois de pesar as alternativas, o garoto decidiu entregar o caule e o botão caído e pedir desculpas por seu descuido. O respeito inerente no sentimento do jovem ajudante é exemplar; demonstra a reverência por objetos comuns. Mas, ainda notável foi a reação de Sotan: ele colocou o caule num vaso, dependurou o conjunto na coluna do nicho Tokonoma* e depositou o botão no piso do nicho. Desse modo, por respeito à consideração do amigo, ao esforço do jovem e à própria flor; a camélia se revestiu de vida nova no reino da chanoyu*. 

" A beleza está nos olhos de quem vê!"



*(1)_ espaço embutido numa sala de recepção

*(2)_ a cerimônia do chá( Caminho do chá)