domingo, 14 de julho de 2019

Onde incide a luz

( Tica)


Onde incide a luz torna-se claridade.Fato que dispensa conclusões.Será tão simples assim?Digo eu, "nem sempre". Há dias que nebulosas se instalam ante nossos olhos e, a corrida das horas nos cega, esta cegueira de visão factual estende-se para uma cegueira emocional, desencadeia uma cegueira de razão instalando fragilidades pesadas, paralisantes... 

Em dias assim borrados, lanço mão do lencinho de limpeza das lentes e se esse não for suficiente, lavo-as em água corrente com detergente até que a limpidez retorne à superfície devolvendo-lhe transparência. Só, então, coloco o par sobre o nariz para aclarar as janelas da alma, as janelas dos sentidos, as janelas dos sentires, o inspirar e o expirar, o dia, a vida.


" O divino não é para pessoas tristes, é para aquelas que são capazes de amar e de sorrir.
Esta existência é uma grande brincadeira, não a leve tão a sério.
Viva-a como uma canção no coração, agradeça por ela com alegria.
Ande pelo mundo com leveza e com sorriso no coração.
Então, de repente, toda a existência começa a se converter numa experiência divina.
O mundano se torna sagrado, o ordinário se torna extraordinário!"

Osho






segunda-feira, 8 de julho de 2019

Festejar é preciso


Aqui na terra seguem festejos julinos. Por todo lado encontramos festas típicas, danças e muitas delícias. Pessoalmente, amo muito tudo isso e aceito os convites que aparecem, com animação. 
A cidade ganha roupagem colorida: bandeirinhas aqui e acolá, criançada saltitante em suas roupas enfeitadas, famílias sorridentes pra verem seus pimpolhos se apresentarem. Tudo entra num ritmo festivo e contagiante, salutarmente celebrado.


Esta mesa maravilhosa pertenceu ao buffet do "arraiá" promovido por uma famosa confeitaria do meu bairro. Eu e duas amigas fomos desfrutar das delícias oferecidas.Uma tarde maravilhosa!


Com motivos ou sem convite marcado, é uma satisfação convivermos com amigas. Cada ocasião tem seu colorido que acaba por transbordar em clima de alegria contagiante. 
Quantas  felizes vezes ajeitamos as agendas para caberem cafezinhos, almoços ou simplesmente passeios por lugares aprazíveis. Retornamos depois com espírito renovado.


Boas companhias enfeitam os dias. Vejam as duas pequenas voando em seus balanços. Posso apostar que estão vivendo aventuras fantásticas neste ir e vir: talvez sejam astronautas, talvez voem em tapetes voadores, talvez...  

Muita gente procura definir tais momentos. Por vezes até cabem legendas, por vezes, nem sempre! 


" ...precisamos(nós mulheres) de mulheres à nossa volta. Amigas, filhas, avós, netas, irmãs, cunhadas, tias, primas. Somos mais chatas do que os homens, porém, entre uma chatice e outra, somos extremamente solidárias e companheiras de farras e roubadas[...]" 
( Martha Medeiros)







quinta-feira, 4 de julho de 2019

Caminhando na chuva


Ontem, num dia assim, como tantos outros antes dele, toda gente aproveitava o inverno da cidade.Caminhantes, banhistas, ciclistas, um frenético ir e vir pela orla, nas areias, no quebra-mar. Havia uma animação estampada nos rostos das pessoas.






 Hoje,pela manhã , o sol já se anunciava e nem parecia que a previsão de mudança no clima aconteceria. Quando saí para caminhada habitual ainda se avistava a perfeita silhueta do Rio. Claro que duvidei convicta do boletim meteorológico de ontem. Pensei: " que frente fria que nada, se esfriar vai ser lá pelos lados da região serrana."
Foi aí, logo depois do pensamento conclusivo que vi crescerem as nuvens encobrindo o Pão-de-Açúcar e lufadas mais frias soprando do mar pra terra me enfrentavam o passo. Ainda duvidando das evidências, prossegui.




Em minutos, pingos grossos despencaram dos céus feito cortina.Tomei um banho de chuva.  A princípio acelerei o passo como se isto fosse me fazer desviar dos pingos intermitentes. Um esforço inútil. Acho que deve ser reação de proteção ante o desabrigo.Logo me dei conta do ridículo da situação. Retomei passo rápido mas, sem afoiteza e, deixei que a chuva lavasse corpo e alma como um banho de cachoeira. 


(*imagem: Pinterest/ Thayse)


[...] não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove.Nada em mim sente...
( Fernando Pessoa)







sábado, 29 de junho de 2019

A cor da vitalidade- abram alas para o laranja


Uma explosão em laranja com riscos de verde-vivo, assim fica meu flamboyant florido. Uma cobertura fulgurante por sobre o jardim. Néon natural derramado em cascatas generosas.Colírio para os olhos e pr'alma que fulgura em festa ante tamanha majestade. 

O laranja veio pra abrilhantar a festa das cores da Xunandinha, conversascomxunandinhablogspot.com.


Em mesclas belíssimas, o laranja se faz referência às cores outonais.


Dá um tom alegre aos espaços. 


Um colar de âmbar; resina fóssil muito usada em adornos, porém, não só para este fim é utilizado. Foi no ano passado que ouvi pela primeira vez sobre os benefícios atribuídos ao âmbar.*"Sabe-se que as resinas produzidas pelos vegetais agiam como proteção contra ação das bactérias e contra o ataque de insetos que perfuravam a casca até atingir o cerne das árvores. Desde a pré-história, as regiões banhadas pelo mar Báltico são as principais fontes de âmbar".

Tenho sabido de recentes usos do âmbar por jovens mamães confiantes nos benefícios do  ácido succínico presente no âmbar com propriedades analgésicas e anti-inflamatórias além de melhorar a imunidade em seus pequenos.

Em sua presença marcante, o laranja pertence a uma extensa lista de usos e tradições muito apreciadas.






* trecho extraído da Wikipédia( vale a pena saber mais)

sexta-feira, 21 de junho de 2019

A cor da terra - BC comemorativa


Não chegou dos céus, nem do mar.Veio do chão e cortou o ar. Fincou raízes , floriu, frutou...embelezou! 

Assim apontou o castanho, amarronzado abraçado que desfila seus matizes com soberba majestosa.Seja no chão natural, nos troncos, em folhas seletas, nos caminhos espontâneos, nas encostas e nos sopés.
Símbolo da Mãe-terra, o marrom confere molduras e entremeios a cenários naturais.



O delicioso sapoti quando acastanha sua casca é sinal de que a polpa doce está pronta para o deleite.
Sou testemunha disto. Havia um sapotizeiro frondoso no quintal da casa de meus pais.Eu vivia de nariz pro alto vasculhando os frutos que já estivessem maduros. 


Em dias de tempestades, os ventos embolam as nuvens
 que sopram nas encapeladas ondas a
contrastarem o castanho que aplaina as areias.



Outra deliciosa tentação vem de fruto avermelhado mas, de sementes castanhas que dão cor e sabor a um marrom muito apreciado__ o chocolate.


Na paleta do artista-maior, desfilam cores infinitas, assombros de muitos matizes, belezas ímpares, adornos originais.


Com o castanho continua a ciranda das cores promovida pela amiga, Xunandinha, do blog:conversascomxunandinha, em comemoração aos dez de seu blog.


Arte em papel




*Imagens(2/3/5) _ Imgrum- segs.com.br

terça-feira, 11 de junho de 2019

Vinda nas brumas do tempo



Logo pelas primeiras horas da manhã de hoje eu já estava às voltas com checagem de documentos, papelada enfeitiçada pela magia da reprodução. Acha uma, perde duas no meio do bolo. Lê aqui. Revisa acolá. Ordena, seleciona, coloca na pasta etiquetada. Acha mais papéis e torna a lê-los. Ainda são importantes? Criteriza. Ordena de novo. A mesa da sala é um amontoado de pastas e papéis documentais. Todos? Não, não todos.
Em leitura dinâmica quero acelerar o processo e, eis-me que cai aos olhos um fragmento de texto. A primeira linha já me arqueia as sobrancelhas. A segunda me detém, hipnotizada pelo conteúdo que expande ante minha leitura.
Um presente! Sim, um tocante presente-mensagem vindo, arquivado por mim, de tempos passados e que, me alcança neste dia. Auspiciosa faxina, esta, que me levou a feliz redescoberta que transfiro aqui para mostrar-lhes: 

( trecho extraído do livro de Clarissa Pinkola Éstes_ Mulheres que correm com lobos) 



"[...] Hoje, La Loba dentro de você está recolhendo ossos. O que ela está recriando? Ela é o self da alma, a construtora do lar da alma. Ella lo hace a mano, ela faz e refaz a alma à mão.
O que ela está fazendo para você?
   Mesmo no melhor dos mundos, a alma precisa de uma renovação ocasional.À semelhança das construções de adobe no sudoeste norte-americano, aqui descascou um pouco, ali caiu um pedaço, acolá  a água desmanchou. Sempre se vê uma velha com chinelos consertando as paredes de adobe com uma lama mole. Ela mistura palha, água e terra e aplica essa mistura sobre as paredes, alisando-as de novo. Sem ela, a casa perde sua forma. Sem ela, a casa  pode virar uma massa disforme depois de uma chuvarada[...] "


Com cheiro de ar renovado depois de breve chuva, levantei-me do impacto causado , olhei pela janela e vi que os céus me sorriam em aprovação.







domingo, 9 de junho de 2019

A cor da vida- BC comemorativa

Creio ser de conhecimento corrente os pitorescos significados das cores e como elas influenciam, alteram e induzem gostos, gestos, e sentimentos. Considero todas estas propriedades de função vital à vida humana desde os primórdios da consciência.
A famosa "paleta" de cores é apaixonante. São tantos desdobramentos que nos confundem a visão acerca das nuances existentes.
Cores alegram. Cores avivam! Cores surpreendem!


E, agora na BC festiva da Xunandinha, conversascomxunandinha.blogspot.com, é a vez do Vermelho- cor quente-labareda.



Mesmo entre cenários, o vermelho acaba por chamar a si o protagonismo.


Atrai a luz e a luz o altera sem ofuscar-lhe a pujança; de vermelho roseia-se em fluorescentes tons.
Chama o branco, o amarelo e, vai somando, metamorfoseando-se em variadas nuances apaixonantes. 


O laranja, mistura vibrante, carrega luminosidade, vitalidade e alegria. Gosto disso! 


Chega o rosa, róseo tom, rosácea aquarelada que nos finos rasgos do vermelho resgata coloração delicada, pinta, nomeia, adorna e faz sonhar.


Das muitas lições que tiro das cores, uma delas é a de que:

Por mais intenso que seja o tom que colore o horizonte, ele não é único e nem permanente, sempre sopram respingos de outras cores trazidas nas correntezas dos ventos. 
Prenúncios de suavidades avizinham-se!




quinta-feira, 6 de junho de 2019

Redesenhos



Ouvi , dias desses, as queixas de uma boa conhecida. Estava insatisfeita com o resultado do corte de cabelo feito num salão. Dizia não saber o porquê daquele resultado, afinal, era de seu costume cortar sempre o mesmo estilo pelas mãos do profissional de sempre. Intrigante!

Por que , às vezes, o que sempre ocorreu no ritmo desejado, desanda sem explicações? Por que, receitas testadas e aprovadas dão errado quando mais precisávamos que cumprissem o roteiro estabelecido?Por que, rotinas azeitadas começam a ranger e apontar ferrugens inéditas?

Será, por quê nos entregamos inconscientemente aos velhos e desgastados hábitos? Será, por quê nos entregamos à comodidade do já sabido e não buscamos possibilidades de inovações? O novo assusta? Creio que assusta, sim.

 Ao ouvirmos uma nota desafinada em nossa sinfonia costumeira acabamos por perdermos totalmente o ritmo, ao que eu grifo o advérbio: totalmente.
Marco pra retirá-lo da frase e da ação. Perdermos o chão é viável mas, não pode ser interminável. É preciso enfrentarmos nossos medos com clareza e, reconhecermos a força interior que nos habita. 

Reinventarmo-nos é ato restaurador e plenamente necessário. Espanar dos ombros o peso das tristezas e redesenhar os dias concretiza em nós a escolha pela vida bela e plena de alegrias que estão por perto esperando que as reconheçamos em cada situação. 

Deixar que novos gostos, novos interesses e novas formas de agir tenham oportunidade de nos surpreender é libertador.





domingo, 2 de junho de 2019

A cor da felicidade- BC comemorativa

Amar-elo-feliz

III capítulo da festa da Xunandinha- 10 anos do Blog- conversascomxunandinha.blogspot.com 


Em cada incursão que faço por diferentes artesanias procuro trazer nos trabalhos cores alegres e, o amarelo é figurinha fácil nas aplicações.Tenho relações de gosto apurado com o amarelo. Acho-o vibrante, luminoso. Muita gente prefere o vermelho quando quer dar uma animada no vestuário próprio. Eu prefiro o amarelo. Tive um tubinho amarelo-mostarda que foi um xodó enquanto durou. 



 Amarelo-canário( portado pelo dono da cor)

Impossível ser abrangente nas manifestações da cor amarela.Sempre faltarão referências. Sua presença é tão constante nos dias, na natureza, nos espaços que, foge a nossa colheita de exemplos. 



Junho, né ,gente! 
"Taí" o amarelo apetitoso em variadas apresentações imperdíveis.
Adoro os pratos nordestinos, doces e salgados. Modéstia à parte, faço alguns com bom domínio e, meu curau de milho arranca elogios dos convivas. 


Fora da marcação do tempo, me permito voltar nas preferências de menina relembrando minha princesa Disney favorita: Bela em seu modelito-baile. Será que é tarde pra eu vestir um destes? :) 

Encerro lhes desejando uma semaninha vibrante em tons alegres do Amarelo!




Imagens: blog_ casarnaoengorda 
googlex4-adesivos
pinterest



terça-feira, 28 de maio de 2019

Correção da miopia




Para olhos treinados atrás de lentes possantes , espetáculos não cessam.Entornos,contornos, colinas, baixadas...o que parece escondido, na verdade, está guardado aos olhos rasteiros. Quem se debruça no espelho da superfície das coisas tem a chave de portais mágicos fora das trilhas costumeiras que, de tanto costume, vicia em pouca visão. 
Há quem se contente com a miopia. Há quem se adapte  ter na íris um véu de organza grosseira e, nada veja de diferente na sequência das horas. Há, ( ainda bem) quem busque lentes cristalinas e as carregue altaneiras sobre o nariz, aclarando o par de janelas d'alma com persianas longas e versáteis; tanto deixam enxergar o interior, quanto o exterior.
Há quem não se contente em ver apenas o já visto.



" Contemplar o belo é fazer das pequenas coisas um espetáculo aos nossos olhos[...]"
( Augusto Cury)








domingo, 26 de maio de 2019

Um domingo - duas B. Coletivas -


Sou adepta da claridade. Sou do dia, sem desprezar a noite e suas infinitas belezas. Sou das luzes extensas em tonalidades ondeadas mareando as horas, denotando o deslizar dos ponteiros a cada movimento dos elementos naturais. Gosto de combinar cores, inspirações, sentimentos...
Gosto da química exuberante com qual a mãe-natureza brinda o mundo em cada centímetro de sua presença. Beleza e bom gosto são seus estilos incontestáveis.

Em passeio pela profusão de cores, Xunandinha, do blog:conversascomxunandinha.blogspot, convida em comemoração aos dez anos do seu blog,  revisitarmos as cores em suas infinitas nuances.

Salpico retalhos coloridos das cidades do Rio e de Niterói.




Toques de verde em moldura azul. Dispensa legendas.






Tendo a motivação, faço conexão; cores, temas, inspiração. 



 Caravana:um rumo, muitas esperanças, sonhos geminados.  



Um domingo, duas BCs, duas participações:

_ Xunandinha/10anos de Blog_ https://conversascomxunandinha.blogspot.com/2019/05/aniversario-de-decimo-ano-n2.html   


_ Chica/ sementes_ http://sementesdiarias.blogspot.com/2019/05/vamos-brincar-com-chica-21.html  



quarta-feira, 22 de maio de 2019

As Normalistas




Aquele sábado amanheceu cinzento aumentando o bolor que nasce na sequência dos dias chuvosos e, assim já íamos por cinco consecutivos em torrente cortinas d'água celeste. E o sábado...igual. Bate um desânimo indescritível em sair-se de casa. Tinha um convite de reunião da turma do Normal marcado pra aquela tarde.Boa promessa mas, e a chuva fina e fria daria trégua?
Fui vendo as horas passarem entre estiadas rápidas e descargas pluviais. Vou ou não? Foi aí que, num estalo de lembrança lembrei-me da fala de uma colega professora que repetia categórica em ocasiões do tipo: ___ A gente sai pra trabalhar com chuva fraca e forte, porque, não sairmos pra nos divertir na mesma situação?

Agradeci a oportuna lembrança e me aprontei saindo decidida pro encontro com a turma.
Ainda bem que fui.Há muito tempo não ria tanto. Até cantoria teve. Piadas e gozações de montão. Muitas delícias, sendo a maior de todas a alegria do encontro.  




Saudades postas na mesa em melhores versões de cada acontecimento trazido na bandeja da ingenuidade que vestia nossa juventude.Saudade do que muitas nem lembravam direito e, que outras resgataram vivamente.Saudades dos professores(as) emblemáticos e, dos nem tanto assim; saudades das baguncinhas inocentes, dos hits da época cantados em altos brados no sombreado pátio na hora do recreio.
Naquelas horas o presente é que estava distante e o passado dançava nos sorrisos de cada uma a tocar com sensível vibração as cordas do instrumento chamado coração.
Lá fora, caía a chuva fina e fria! 

" Até junho, meninas!"


segunda-feira, 13 de maio de 2019

O Canadá que eu vi - Parte III

Declaro que não foi proposital mas, acabou por ser bem oportuna essa terceira parte das minhas andanças pelas terras canadenses.Aqui revela-se o motivo inicial da viagem nunca antes cogitada por mim: um encontro reunindo parte da família que mora longe.Pois, não é quê, agora tenho dois filhos morando fora do país.

A nova jornada de vida do meu mais novo começou de fato em dezembro passado mas, o casal já vinha traçando metas e agindo planos para mudança de país desde 2017. Meu filho viajou após o Natal pra organizar tudo na nova cidade adotada: Ottawa, onde cursa uma pós numa faculdade local.
Passaram-se 4 meses até que a esposa e filhos puderam juntar-se a ele e, no ensejo da oportunidade lá fomos também eu e minha outra filha. Tempo aprazado. Tempo vivido. 



                        
               Vista do Parlamento no promontório  da outra margem do rio Ottawa. 

                                      
                        Museu da História do Canadá. Vale muito a visita.

       
           Os dias passaram mais rápido do que eu esperava, porém foram intensos e felizes. Até o sol colaborou aparecendo muito mais vezes oferecendo-nos belas oportunidades de passeios.



Parques e jardins; toda cidade muito arborizada.Horizonte amplo e luminoso. Gostei demais de Ottawa.



Alegrando ainda mais o passeio pude abraçar a querida amiga, Lúcia Haddad, moradora da cidade.Fui recebida por ela com enorme carinho e um apetitoso café da manhã.Vejam que mesa linda!




Nos jardins do Parlamento canadense. 
Fizemos a visita ao prédio e depois curtimos os arredores.

Aqui fica o capítulo final da primeira de muitas outras visitas que farei ao Canadá.Sempre que tiver bons registros venho mostrá-los.