segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Educação __ Chave-mestra


(kjnn-chiniquy)


Será que cabe falarmos em modelo/exemplo? Cabe, neh, e sempre caberá, pois, reside neste fenômeno milhares, milhões, trilhões de ações evolutivas que se deram e se darão ao longo dos tempos. 

Desde os primórdios da conscientização humana nos espelhamos em todos os fenômenos á nossa volta. Foi através da obervação concisa que os primeiros grupos de Ramaphitecus, há 13 milhões de anos, tiveram sobrevivência de alguns de seus indivíduos praticando a coleta cuidadosa de frutos e arbustos silvestres depois que os animais coletores deles tivessem se servido e continuado incólumes.Garantiram a sobrevivência da espécie.Exemplo seguido pelos demais grupos que evoluíram deste primeiro e, tudo na base do instinto e do bom senso. Não mandaram emails ou vídeos avisando aos seus semelhantes que a árvore de troncos retorcidos dava frutos venenosos.

E cá estamos, nós, hominídeos-sapiens, que flanamos por entre as diversas mídias desde que Chateaubriand trouxe o primeiro aparelho transmissor de imagens televisivas para o Brasil, achando que este utensílio doméstico apenas teria a função de distrair e informar. Ledo engano. Não promovo uma caça ás bruxas, mas também, não porei uma venda por escolha própria.

Creiam-me, tudo ao nosso redor neste novo-velho-mundo, "educa". Para o bem e para o mal, mas educa e, na maioria das vezes, desastradamente. São modelos /mensagens explícitas ou não, de comportamentos, modismos, excepcionalidades, idolatrias, convencimentos, induções... 

A lista escapa em sequência quase infinita mas, se perpetua através de décadas disseminando pés-de feijão gigantescos furando as nuvens, só que acima delas não há castelos e muito menos galinha dos ovos de ouro. Saibam!

O modelar comportamentos e consequentes reações se presta a mais de um propósito e serve muitos interesses escusos, ainda mais em nosso país.Claro, que não é privilégio só nosso, porém, está sendo permissão só nossa.


"Quem sabe faz a hora, não espera acontecer..."





segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Respeito antecede renovação



Semana começando, incentivo pra renovar olhares, recompor as metas, avançar , cumprir, realizar; lista verbal motivadora que é capaz de nos mover, esperançar. 

" Sempre há em nós, a possibilidade da renúncia. Primeiro renunciamos à solidão ( quando é prejudicial*). Depois à ação do tempo,depois à impermeabilidade. E pronto..."

Não tão simples assim, nem pronto, afinal, mas possível recomeço. Válida aquisição de novas perspectivas, de remodelação das antigas, quando se percebe necessário, ajuste cabível para certezas emboloradas, permissão de assento pra paisagens pitorescas a desenharem sorrisos naturais.Tudo isto é permitido, bem-vindo, benéfico.Só não o é, o descontrole sobre o justo, o valoroso, o correto, o ético e o respeitoso. O direito de cada indivíduo termina onde começa o de seu semelhante.Respeito, acima de tudo favorece a boa "tramagem" do tecido social.

Mas, se faz hora de abrir a semana Brincando com a Chica: Uma palavra dada, uma palavra formada, em seu (link) sementesdiarias.blogspot.com


A palavra da semana é : PITADA 




Uma pitada bem dosada acentua o sabor do momento!



Uma pitada diária de Bom Senso suaviza a vida!



Entre na ciranda vc também!


+ Excerto de : Textos e pretextos, Celso Cisto
* aporte meu.



quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Desassossego



Sinto, por vezes, que estou sendo levada por uma enxurrada furiosa que não se detém ante obstáculos , seguindo ruidosa seu curso desgovernado para destino desconhecido. Não é pesadelo ou qualquer fato semelhante. Pra meu lamento, é a realidade de bocarra escancarada num esgar irônico a me deixar atônita, quase paralisada. Quase... sim, porém, não totalmente e, reajo com ímpeto, com revolta, com fé, refutando com vigor tais fatos aterroradores, me ancorando na crença de que ainda há consciência humana nos seres de igual adjetivo.

Vou lançar minha voz , meu empenho, meu credo para além das fronteiras físicas e me filiar  a todos que como eu, crêem que um mundo mais humano é possível, é viável.

Às vésperas do dia Professor, encara-se uma tragédia humana desproporcional como todas que lhe são assemelhadas e nos deparamos com mais uma barbárie tenebrosa a nos tirar o chão reduzindo nossa compreensão diante do sucedido onde perguntamos: "porquê?"

Não há resposta, creio eu. Podemos, no muito, confortarmo-nos com algumas poucas reflexões pinceladas a darem um vislumbre sobre a causa, mesmo assim, sou descrente que desta se encontre qualquer explicação plausível.

Lendo um artigo da filósofa-pensadora norte-americana, Martha Nussbaum, conhecida por defender um ensino permeado de humanidades, encontrei alinhamento para meus pensamentos sobre este e muitos outros fatos recentes da nossa triste história urbana.Diz ela: 

" Faço distinção entre empatia e compaixão - e é de compaixão que precisamos. Empatia é só a habilidade de pensar como é estar no lugar do outro. Não é moral...Compaixão diz que os obstáculos enfrentados pelo próximo são ruins. Podemos senti-la sem imaginar a vida do outro, como quando nos compadecemos de animais."

A citada filósofa permeia seu trabalho em áreas da antropologia,da psicanálise e da sociologia na busca pela eudaimonia, palavra grega que representa uma vida plena e próspera.

 Constatar o quanto nossa realidade está longe deste ideal me assusta, mas também não paralisa.Posso ser tachada de Pollyana, posso ser considerada ingênua, não temo nada disso. Antes ser quixotesca e avançar como puder contra os  moinhos empedernidos em descalabros e  desumanidades , do que encolher-me chorosa e desesperançada.





sábado, 7 de outubro de 2017

Retalhos Coloridos



Abre no pensamento um gráfico simples, desenhando altos e baixos, marcando  sentimentos revoltosos, muitos lamentos e incredulidade. Se eu pudesse reverter os ponteiros do relógio-tempo em 96 horas atrás e, isto fizesse toda diferença nos acontecimentos, será que abalaria o curso da órbita terrestre?
Como não tenho resposta pronta abro, então, um parênteses diminuto nestas horas seguintes e me deixo acalentar por retalhos coloridos nos dias.



No ritmo dos pedais abrem-se paisagens monumentais.

" O ser humano é o único ser que busca independência e, ironicamente, ao mesmo tempo, precisa do afeto e do carinho do semelhante."  



Ventos brincalhões desarrumam nuvens baixas. 

" Podemos sentir o vento como uma brisa ou como um furacão devastador. Depende do estado de espírito."



Cada tom reverbera a seu jeito.
Cada sentimento, também.

"Podemos dizer a mesma coisa de formas diferentes.



"Cada um é incomparavelmente único.Você é necessário e basta."

Meu companheirão, senhorzinho compenetrado, faz dez anos de muitas alegrias vividas conosco.
Thuco grandão, expressão de amor.





* "excertos do livro Códigos da Vida, Legrand"



quinta-feira, 28 de setembro de 2017

BC Raio X __ 2017 __ Reviver Emoções





Desconfio que certas palavras possuem ímãs e, pelo que percebo, sou atraída por elas inconscientemente... será? Prossigo para além da questão, mas presa ao ritmo empático que despertam. 
Tenho visto a BC- Raio X, capitaneada pelo amigo TONINHO(link) e pela SILVANA , inspirar muitos participantes e, claro, me encontro neste rol mas, só agora na quadragésima sexta edição venho me juntar ao time participante.
 A palavra ímã parou no "e" de emoções, ou melhor : reviver emoções, um mote irresistível, afinal, não é também desta matéria que somos feitos? Matéria etérea, porém pulsante em nossos poros, viajante nos fluxos sanguíneos irrigando o pulsar das batidas do coração, que não é o depositário das emoções ( segundo meu cardiologista), mas que ribomba intensamente ao sabor delas.



Então " simbora" mergulhar na proposta:

* Já chorou com cenas de filmes ou novelas?

# Hiii... e como! Muita coisa! Muitas vezes! O difícil está em apontar uns poucos exemplos. Minha lista é grande. O que me salva é o verbo reviver. Vou me agarrar nele e buscar lá atrás o címbalo que tocou alto derramando minhas lágrimas livremente.

1_ Sociedade dos Poetas Mortos
2_ O clube da Felicidade e da Sorte
3_ Colcha de Retalhos
4_ Ghost 
5_ A família Bélier 


*Desenho animado, filme ou programa de rádio da sua infância? 

#Na maioridade infantil, fiquei sabendo que: " Selacanto provoca maremoto"(rs), e vcs, sabiam disso?Pois, foi assim, que fiquei aficionada em seriados desde a época do National Kids. Houve também um programa de rádio que logo se tornou televisivo: Tia Gladys e seus bichinhos, apresentado e conduzido pela titular, uma exímia desenhista e contadora de histórias infantis que me encantavam  e, à garotada da minha época.




* Da criança que foi, o que restou dela em vc?

#Tuuudo! Ora, Graças! Tudo mesmo. Creio que só cresci e me adaptei às mudanças físicas, cronológicas e circunstanciais. Umas retive, outras abracei, mas todas foram fermento no corpo e n'alma adicionando movimento e alargando horizontes.

Sou aquela menina ( a La Cora), que corria livre pelos quintais, brincava com borboletas e embalava suas bonecas com cuidados maternais. Sou aquela menina que queria voar num tapete das Mil e uma Noites, conhecer o holandês-voador, visitar o país das Maravilhas e dançar ballet.
Aqui ela está e sempre estará.




O bocado significativo residente em cada emoção, nos faz reviver precioso relicário.
Obrigada, pela oportunidade, Toninho e Silvana.






# devagar irei visitar os demais participantes, ok!