sexta-feira, 8 de setembro de 2017

A casa Amarela




( Casa Amarela - Van Gogh)


Ontem feriado, dia mais lento restrito da ruideza comum nas ruas da cidade. Aqui e ali alguns serviços funcionando.Já sabida disto saí e, ao dobrar a esquina achei movimentação diferente.Algumas pessoas paradas na calçada sustentando suas sacolas de mercado, olhos atentos ao outro lado onde maquinário pesado e homens atarefados se dedicavam à tarefa de demolição.

A casa amarela, de grandes janelas, chapisco frontal, portão gradeado, telhado estendido por sobre o avarandado que chegava aos degraus da entrada.Aspecto simpático, cor vibrante, ali quase ao meio daquela rua, mostrando seu frontão "galhardeiro" com registro da construção: 1928.

Quase um século e, com certeza, muitas vidas por ali passaram; muitos risos, alguns choros, festas, aniversários, celebrações, vidas palpitando, histórias acontecendo, quase um livro em tijolos e pinturas atravessando décadas até ontem, quando exibia naquela manhã uma ferida grotesca na lateral esquerda de sua parede deixando à mostra o quarto de alguém, vazio de objetos, mas cheio de recordações.

 Arrancaram-lhe o bonito portão, feriam-lhe os degraus, absolutamente resolutos no trabalho de demolição.

Olhei para as pessoas que, como eu, pararam por instantes diante da cena.Creio que nossos pensamentos convergiam num mesmo sentimento lamentoso.__É só mais uma casa que dará lugar a um prédio, dirá alguém. O antigo dando espaço à modernidade. Só isto!

Não só, mas na realidade, isto. Aos meus olhos e aos do casal, senhor e senhora, próximos a mim, que fitavam consternados a destruição da casa amarela, um turbilhão descompassava o peito no ritmo das marretadas. 

~~**~~ 


Obs: Há um link novo direcionando para uma rápida pesquisa no post: Divulgação__ grupo p/novos escritores.
Passe lá!

8 comentários:

  1. Puxa,Calu! Escreveste t'ao bem, deu pra entrar na tua cabeça e sentir contigo a tristeza, melancolia de ver algo assim ser demolido com marretadas...Triste cena e tanto se passou ali dentro..Agora vira pó...Restam lembranças! bjs, chica, ótimo fds!

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, querida amga Calu!
    Demolição combina com descaso, muitas vezes, é pena que seja assim! Prefiro reformas e restaurações... soa bem melhor ao meu coração também e ainda não levamos marretadas dolorosas... o novo se faz acontecer...
    Seja feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
  3. Como é triste Calu presenciar estas demolições. Senti este pesar aqui no Ingá diante de situações com esta. Lamentável. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Ah... Calu, isso está acontecendo em todo lugar...
    Acho tão triste, imagino a luta para construir uma casa e mantê-la por tanto tempo, quantas histórias...
    E num piscar de olhos, tudo no chão!
    Acredito que casas muito antigas deveriam ser protegidas por lei como patrimônio histórico. O crescimento desenfreado movido por interesses econômicos, deixa a cidade sem alma.
    Ótima semana
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. É uma tristeza ver uma casa ou parte de uma casa sendo demolida é como se as recordações, os fatos ali vividos fossem, também, nos escombros da demolição.
    Beijos e uma semana feliz!

    ResponderExcluir
  6. Que triste !
    detalhaste muito bem a cena ! [
    transeuntes assustados e nada podem fazer !
    Mais uma que se vai. Um edifício lindo e moderno substituirá !
    Aqui em nossa rua, também foi assim. Uma linda casa antiga cedeu seu lugar para o novo.
    Só que a obra foi embargada e por anos só vemos uma caixa de água redonda e azul a enfeiar o que antes era bonito.

    bjs

    ResponderExcluir
  7. Boa noite Calu,
    Um escrito muito belo.
    É uma nostalgia enorme assistir a demolição de casas com tanta história.
    Um prazer ler o que escreve com tanta elevação.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  8. Olá Calu! Realmente é triste essas demolições. Uma história importante que tentam apagar. Abraços, fica na paz.

    ResponderExcluir

Teu comentário é o fractal que faltava neste mosaico.
Obrigada por tua presença querida!