terça-feira, 6 de julho de 2021

A borboleta amarela


(*)

 Não combinamos de antemão, mas íamos cadenciadas como se houvesse uma melodia só audível para nós duas. Eu avançava em passo lento e ela ia à minha frente dando volteios graciosos, hora próximos, hora distantes. Parecia estar comemorando o novíssimo par de asas. Por vezes, achei que ela só se aproximara para dar um gentil cumprimento pela companhia na caminhada e tomaria seu rumo pra longe dali, mas, logo em seguida ela voltava pro meu lado e continuávamos  o passeio. 

Fomos nós duas pela calçada ladeada ao mar, sorvendo a brisa que o dia azul proporcionava, guardando nos olhos as cores e na alma as sutilezas deste encontro fortuito para nós.

Minha delicada companheira prosseguiu comigo até chegarmos a uma rala touceira de pequeninas flores na beira da areia. Ali ela acenou e partiu para novas explorações.

Fiquei presa ao encantamento e às nuances despertas pela boa companhia em sua singular existência fugaz e bela, fato que acendeu em mim a forte conexão com os tempos restritivos; "sou como uma crisálida em  terceiro estágio de preparação, mal contendo a ansiedade de romper o casulo, abrir as asas novinhas e voar..." 


(*( goaway-tumblr)



11 comentários:

  1. Realmente ,uma companhia ótima para tornar a caminhada poetica e mais linda ainda! Coisa boa, é sempre bom sinal encontrar amiguinhas assim a nos acompanhar...beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Calu, que coisa bem boa uma caminhada assim...Ladeada de uma amiguinha alada... Seria um "anjinho a um recado te querer dar? Adorei! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Boa noite serena, querida amiga Carminha!
    A metáfora da borboleta 🦋 caiu muito bem para o que estamos vivendo.
    Não vemos a hora de rompermos o casulo... Um ano foi pouco para aprendermos certas lições de confinamento e tivemos que ser reprovadas, seguimos ao meio do ano na luta de passar de ano aprovadas e fora do casulo.
    Texto muito poético, amiga.
    Vou pensar doravante que estou no casulo e, depois, voarei muito.
    Voaremos...
    Em altos poderes de liberdade, se Deus quiser.
    Tenha um amanhecer abençoado!
    Beijinhos carinhosos e fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  4. São lindas as borboletas. São parceiras privilegiadas das flores.
    .
    Saudações amigas
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  5. Boa noite, Calu!
    "sou como uma crisálida em terceiro estágio de preparação, mal contendo a ansiedade de romper o casulo, abrir as asas novinhas e voar..."
    Um fecho de ouro para esse texto tão brilhante, essa prosa poética que nos faz sentir um frescor primaveril, ao mesmo tempo que nos coloca, de plano, na realidade onde estamos inseridas. As borboletas amarelas são tão raras por aqui... Parabéns pelo lindo texto, um trabalho realmente primoroso com as palavras.
    Bjs
    Marli

    ResponderExcluir
  6. Bom dia
    Uma prosa cheia de beleza, a das borboletas...Amo! 🌹
    -
    Sãos teus olhos o mistério escondido
    -
    Beijos, e um excelente dia ;)

    ResponderExcluir
  7. Meninaaaaa, que texto poético mais doce, mais lindoooo!
    Fiquei imaginando cada passo/vôo desse sublime passeio, adoreiiii!
    Creio que estamos todos/as assim, ansiosos para alçar novos vôos...que assim seja, se Deus quiser!
    Beijinhos,
    Valéria

    ResponderExcluir
  8. Um texto delicado e belo tal qual as borboletas, querida Calu
    Adorei!
    Lindo dia para tí.
    Beijinhos
    Verena.

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde Calu,
    Uma companhia maravilhosa que despoletou uma prosa poética linda!
    Há momentos abençoados nos nossos caminhos e esse foi um deles, amiga!
    Adorei!
    Um beijinho e uma ótima tarde.
    Ailime

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde, uma companhia de encantos e mensageira de renovação. Adorei a prosa poética. bjsss

    ResponderExcluir
  11. Um texto maravilhoso, cuja leitura me encantou do início ao fim! A Natureza nos contempla com delicadezas, que ficam tão difíceis de se verem reflectidas, nas sociedades humanas... em tantas circunstâncias!
    Uma verdadeira delícia, seu texto, Calu! Beijinhos!
    Ana

    ResponderExcluir

Teu comentário é o fractal que faltava neste mosaico.
Obrigada por tua presença querida!